quarta-feira, Agosto 30, 2006

DVDteca - Grandes Mestres do Cinema (15)


"Á Bout de Souffle" de Jean Luc Godard

O final dos anos 50 foi marcante no cinema francês, pelo lançamento de três filmes que marcaram a “Nouvelle Vague”. “Les 400 coups” de Truffaut, “Le Beau Serge” de Chabrol e “A Bout de Souffle” de Jean Luc Godard. Esses filmes a preto e branco mudaram a face do cinema e influenciaram inúmeros jovens que hoje são grandes realizadores como Spielberg ou Scorcese.

“A Bout de Souffle”, realizado por Godard sobre uma ideia original de Truffaut e contando com a supervisão de Chabrol é , quase 50 anos passados o filme emblemático da “Nouvelle Vague”, sendo que essa vaga segue o seu rumo, forte, mantendo o filme todo o seu brilho, como é próprio de qualquer jóia preciosa.

Marcado por um par electrisante, como o cinema por vezes nos oferece. Já falamos de Bogart e Bacall em “The Big Sleep”. Aqui temos um Belmondo beata no canto da boca, chapéu à Bogart de esguelha, o seu ar trocista, estilo blasé, o beiço caído, as caretas, o dedo que passa sobre os lábios ( como Bogart uma vez mais). E a jovem americana Jean Seberg, na frescura dos seus vinte anos, cabelo curto, t-shirt justa (" Pourquoi ne portes-tu jamais de soutien-gorge ?" pergunta-lhe Michel) calças à pirata ou vestido pelissado às riscas. O malandro e a sereia. Únicos.

No seu primeiro filme, Godard queria fazer um filme negro, à americana. Faz citações, recria cenas, repete bandas sonoras, mostra cartazes, como cinéfilo que era. E todavia... tudo reinventou, criando um novo género: o “Godard”. Ousado, provocador, filma como respira, diverte-se divertindo ( como na cena em que o protagonista recusa comprar os Cahiers du Cinema) , de ruptura em ruptura, persegue o fugaz, o efémero, o real. A liberdade e a irreverência. E o final por si só dá-lhe o estatuto de filme de culto.

O filme conta a história de Michel (Belmondo) que rouba um carro em Marselha e ruma a Paris, matando um polícia no trajecto. Encontra Patricia (Seberg) aspirante a jornalista que vende o Herald Tribune nos Champs-Elysées. O romance é intenso, mas Patricia descobre que Michel é procurado pela polícia. Amor impossível, então. À beira do abismo. "Entre le chagrin et le néant, je choisis le néant. Le chagrin est un compromis."

Com um orçamento reduzido, a imaginação foi estimulada. Com o fotógrafo Raoul Coutard introduzem a filmagem com câmara à mão, os movimentos de câmara substituindo o clássico campo, contracampo. O ritmo, a curta duração de alguns planos, a montagem que tira partido da imperfeição com recorrentes saltos de imagem, os enquadramentos de interiores, foram marcados pela necessidade de poupança. De igual modo o filme é filmado no exterior

Vencedor do Urso de Prata em Berlim, foi um sucesso comercial, feito quase inédito em Godard. Apenas repetido em Sauve qui Peut (La Vie) e Je Vous Salue Marie ( este mais pela polémica que despertou). Cineasta rebelde, Godard nunca fez filmes para agradar ao espectador. O seu Michel no monólogo inicial dá o tom: “si vous n’aimez pas...allez vous faire foutre”, como afirmação da sua indiferença.

Cada vez que revejo este filme (para este post revi-o pela enésima vez) gosto ainda mais dele. É um filme essencial para compreender que havia um antes e passou a haver o depois. Por isso, Je vous salue, Godard.

DVD: "À bout de Souffle" (1959) na amazon.fr €8.40Outros filmes recomendados: "Vivre sa Vie" com Anna Karina, sua mulher, Prémio Especial do Juri em Veneza; "Le Mépris"(1963) com Bardot e Piccoli , na amazon.fr €4.68; "Pierrot le Fou"(1965) com Belmondo e Anna Karina, na amazon.fr €6.00; "Sauve qui peut (la vie)" com Isabelle Hupert; "Prenom Carmen" (1983), Leão de Ouro em Veneza.

Na FNAC apenas encontrei "Sympathy for the Devil"(1968), €17.95, que tem como ponto de partida os Rolling Stones em estúdio a gravar o disco que dá o nome ao filme. O DVD trás a versão do realizador e a do produtor.

1 Comments:

Blogger fvaz said...

Em 1983 foi feito um remake com Richard Gere e Valerie Kapriskie nos protagonistas. A acção passa de Marselha e Paris para Las Vegas e LA,a fuga seria não para Roma mas para "Mejicó".

12:23 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home